Personal trainer: O novo normal no mundo digital

O mundo digital chegou. Ponto.

Se antes de 2020 o mundo já estava incorporando funções digitais para quase tudo no nosso cotidiano, as surpresas que este ano trouxe serviram para enraizar ainda mais o universo digital em nossas vidas. Com o afastamento físico imposto, não tivemos escolha senão nos render aos avanços tecnológicos e incorporar as inúmeras possibilidades de conexão proporcionadas pela internet.

A forma como cada pessoa teve que se adaptar ao meio digital em decorrência da pandemia de coronavírus foi muito diferente, isso é fato. De um lado temos o funcionário que já fazia homeoffice uma ou duas vezes por semana ou a gestora que coordenava seus times à distância; para essas pessoas, ter que lidar um pouco mais com interações digitais no trabalho pode até ter sido desagradável, mas nada que tenha os impedido de realizar suas tarefas.

E como ficam os trabalhadores que NECESSARIAMENTE faziam um trabalho presencial? Como ficam os autônomos que dependiam do contato com seus clientes para fazer seu trabalho e até para se divulgar? Nesses casos, parece que o buraco é mais fundo…

Se formos olhar para os personal trainers, vemos que, até 2019, era uma classe de trabalhadores com foco no atendimento presencial, muitas vezes com divulgação de seus serviços através de maneira informal (boca a boca e indicação de alunos). Para os mais antenados, o perfil de trabalho no Instagram já era uma realidade e a consultoria online era algo que já existia, mas nem de perto essa era a regra e sim a exceção. Mas isso foi antes de 2020.

Com as novas condições impostas no início desse ano, sem poder atender mais em academias, parques ou na casa de seus alunos, os personais receberam a notícia que muitos temem: é hora de mudar. Chegou a hora de enfrentar o medo do escuro, a fobia do desconhecido, e se dedicar ao ambiente digital.

O choque inicial foi grande para todos, mesmo para os mais adaptados, que acabaram perdendo clientes por questões financeiras que, inevitavelmente, também afetaram seus alunos. Isso é mais uma prova da importância de diversificar suas fontes de renda e suas possibilidades de atuação, tornando-se mais forte para reagir e aprender com as mudanças do meio.

Para lidar com a situação, só havia um caminho: ir fundo no mundo digital, seja para conseguir compensar as perdas de aluno ou para seguir atendendo os alunos que se fizeram fiéis. O que nas primeiras semanas parecia um terror, pela fuga forçada da zona de conforto, foi se tornando mais familiar aos poucos. Lives no Instagram, GIFs de exercícios no WhatsApp, aulas via Zoom. O domínio da tecnologia que antes era um diferencial agora se tornou essencial.

Conforme as possibilidades iam sendo melhor incorporadas, foram surgindo diferentes iniciativas por parte dos personais. O treino individual entre personal e aluno voltou a ser algo possível, mesmo que à distância, mas a criatividade veio para agregar valor aos treinos. Um caso interessante é o do Alécio (@asfitproject no Instagram), que percebeu que seus alunos sentiam falta de treinar, mas também de conviver com outras pessoas. Se todos tinham acesso à internet e poderiam usar o Zoom para treinarem juntos, por que não? E assim ele fez, dando aulas para em média 25 pessoas ao mesmo tempo, de diferentes lugares do Brasil, que podiam treinar e sentir o gostinho de estar com amigos mesmo sem sair de casa.

Outra pessoa que se destacou durante a quarentena foi a Cacá (@personalcaca no Instagram). Além de investir na padronização visual do seu perfil, assim como fizeram o Alécio e outros colegas de profissão, ela se aproveitou das ferramentas dentro do Instagram para diversificar seu serviço. Entendendo as preferências das pessoas no mundo hiperconectado em que vivemos, lá foi a Cacá elaborar um formato exclusivo de treinos apenas para seus close friends no Instagram.

Segundo ela, “é como se fosse um Netflix: as pessoas pagam uma mensalidade e têm conteúdo exclusivo diário para aproveitar no momento que preferirem”. Como já diria Jorge Paulo Leman, não precisamos inventar a roda, basta ver como fazem os melhores e adaptar à sua realidade.

Esses são ótimos exemplos de personais, dentre diversos outros excelentes profissionais com os quais convivo, que entenderam a realidade atual, desenvolveram a entrega de um novo serviço aos alunos e foram testar. Mesmo com o “empurrãozão” que os personais tiveram esse ano devido à pandemia, o uso das redes sociais já se mostrava importante e crescente nos últimos anos. Agora não há dúvida: é digital ou tchau.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin